Contato - Guilherme Ghisoni

Guilherme Ghisoni

Celira Mendes

+55 62 3609 9680

+55 62 8212 8811


  • ghisoni

    on July 12, 2016

    Caro Ciclotron Irajá,
    Muito interessante o seu trabalho com os espelhamentos e colorações no "A Dobra - faróis de carros". Obrigado pelos comentários!
    A frase “o mundo é independente de minha vontade” não é minha, mas do Wittgenstein, no Tractatus Logico-Philosophicus de 1921. A ideia no ensaio era explorar visualmente a concepção de mundo do Tractatus, que me perece ser muito próxima da visão de mundo expressa por John Cage no “Music of Changes” de 1951.
    O conceito de “vontade” tem vários sentidos. Vontade pode significar volição, intencionalidade, desejo etc.. O próprio Wittgenstein traça uma distinção entre a vontade “enquanto fenômeno” (do campo da psicologia) e a vontade como “portadora do que é ético” (do campo indizível da filosofia). Acho que você tem razão. Há um sentido no qual o mundo é dependente da minha vontade (como diz o próprio Wittgenstein, há partes do meu corpo que se submetem à minha vontade). Além disso, A interpretação do mundo parece ter uma dimensão que é voluntária.
    O meu interesse era tentar compreender em qual sentido Wittgenstein concebe o mundo como independente da vontade (e qual é o sentido de vontade por ele mobilizado – parece se referir à intencionalidade de um sujeito metafísico, que institui o ato nomeador, doador de sentido).
    Eu tenho um ensaio mais antigo, no qual faço em parte o que você me sugere no seu segundo comentário. No Kinesis (http://www.ghisoni.com.br/Kinesis/) a ideia era a interação com a aleatoriedade. Ou seja, nesse ensaio eu expresso a minha vontade em relação a aleatoriedade do mundo.
    Grande abraço!

  • Ciclotron Irajá

    on July 10, 2016

    Peço para que volte ao experimento agora impondo a sua Vontade e veremos como as luzes se comportam. Forte abraço! :))

  • Ciclotron Irajá

    on July 10, 2016

    Muito interessante sua pesquisa, mas tenho algo a declara em relação a teoria estudada: O sujeito é aquele que contempla os fatos do mundo como totalidade ilimitada uma vez que o sujeito é um fato no mundo. E a contingência dos fatos é completamente dependente da Vontade desse sujeito. Ou seja, nossa visão interfere diretamente nos fatos da realidade e não há limite de alcance das realidades a serem exploradas e manipuladas. Somos co-criadores da nossa realidade. Ver meu ensaio fotográfico "A Dobra - faróis de carros", onde manipulo a realidade através do olhar. https://issuu.com/ciclotron/docs/05._a_dobra_far__is_de_carro

    ;))

  • Jc Ruzza

    on April 4, 2016

    Olá, gostaria de dizer que achei muito interessante seu trabalho e as questões que ele levanta. Talvez por ter feito um caminho similar (fotografia--> Filosofia --> Semiótica) consigo enxergar uma proximidade grande com as questões que movem meu trabalho com a fotografia. Bem interessante também os textos e o trabalho do grupo de estudos. Como estou em São Paulo, continuo acompanhando à distância. Parabéns

    Jc. Ruzza